08 abril 2014

Sobre envelhecer.

Domingo de manhã fui a missa, por incrível que pareça. Como era a primeira do dia, a igreja estava vazia e as poucas pessoas que tiveram ânimo para acordar as oito horas no final de semana, estavam sentadas uma distante da outra, algumas acompanhadas, vários perdidos, sozinhos e a maioria idosos. Eu e minha mãe sentamos em um banco qualquer e esperamos, enquanto uma moça que aparentava ter lá seus 30 anos fazia os cumprimentos e anunciava a chegada do padre. Enquanto isso comecei a observar ao meu redor, logo a frente uma família com 3 filhos de idades diferentes e a mãe não sabia se prestava atenção na moça ou na bagunça que as crianças faziam. Do outro lado um jovem casal de mãos dadas, seus olhos brilhavam e aquele ato parecia tão importante. Em seguida vi uma senhora sozinha, seus cabelos grisalhos jogados para o lado caiam em cascata devido ao penteado. Ela usava um vestido florido e um casaquinho de linho em cima. Pude perceber que ao segurar o folheto ela tremia, impaciente, mas ainda assim satisfeita com o momento. Sem querer pulei  alguns anos da minha vida e me imaginei na mesma situação, baixinha (como sempre) e com cara de vovó, usando roupas vintage, brinco de pérolas e um coque bem feito, cheirando flores, porque velhinhas cheiram flores. O que eu vou ser aos 70 anos? Casada? Terei netos? Em que parte do mundo irei estar? E o principal, terei realizado todos meus sonhos? Sempre que vejo alguém mais velho me pergunto onde estão seus parentes, o que fez na adolescência, se encontrou seu grande amor ou se tem alguma- ou inúmeras- histórias polêmicas e engraçadas para contar. Também se está feliz e chegou onde quis... Será? Quero que daqui 50 anos eu possa ser o mesmo que sou agora e ainda assim o oposto. Que meus filhos estejam crescidos e eu tenha vários netos- nunca foi meu sonho, mas parece ser o certo. Quero ser essas avós malucas que viajam o tempo todo, vão á festas e vestem roupas descoladas. Que eu possa curtir um show de rock com a família e nos finais de semana faça alguma loucura, e também possa ter tempo de fazer um bolo e esses docinhos que só avós sabem fazer. Quero encontrar alguém que possa viver da mesma forma que eu, sem medo, sem receio, apenas curtindo a eternidade de viver, pois a vida é algo tão incerto e bipolar. Mas sobre todas as coisas, eu espero que aos 50, 60, 70 anos eu ainda me lembre das coisas simples que me fazem bem hoje. Acordar cedo só por acordar, abrir a geladeira na esperança que tenha algo gostoso, descobrir que não tem, fechá-la e abri-la novamente como se alguma mágica tivesse acontecido. Fotografar o céu e tirar uma selfie pra todos os momentos, assistir a novela pra rir dos personagens e comer brigadeiro na colher, além de engordar feito uma louca comendo doces baratinhos que a gente compra por quilo nas lojinhas do centro. Eu quero ser essa vovó que vai ao shopping e faz compra tudo sem poder gastar- mas tomara que até lá eu já esteja milionária morando na minha cobertura em NY, quem sabe. Sorri ao pensar em como as vezes penso em crescer só pra ver onde cheguei e se cheguei bem, e sorri mais ainda por saber que ainda estou nos quase 19 anos e tenho tempo suficiente pra traçar minha própria história- ou não, tempo é tão relativo. O padre já estava no altar lendo a Bíblia e toda aquela tradição que devemos ouvir. Olhei para a minha mãe, baixinha, perfeccionista quanto as roupas que veste e muito parecida comigo. Ela estava com a cabeça baixa mexendo nos próprios dedos como se tivesse pintado as unhas um dia antes e esquecido de tirar o borrão do esmalte, o que eu geralmente faço. Em seguida ela arrumou o cabelo pra trás, cruzou os braços entediada e começou a morder o canto da boca... Sim, essa sou eu. Pelo menos agora eu sei que aos 40 anos serei sua cópia e com sorte, possa alcançar o mesmo lugar que ela, minha maior referência e a mulher mais incrível que conheço. Olhei pra baixo e comecei a cutucar os dedos, ainda tinha borrões de esmalte, torço para que com o tempo eu aprenda a fazer isso direito.

Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. que texto lindo, falar sobre velhice eu acho tão complicado
    pois cada um tem uma perspectiva diferente sobre o que e a velhice.
    Mas eu adorei seu texto e acho que ficou bem verdadeiro.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também achei na hora de escrever, é algo meio delicado rs Obrigada <3

      Excluir
  2. Amei o texto! Acho que você definiu o motivo de gostar tanto de idosos ♥ sempre sonho em ser assim também, não quero ser uma vovó chata, poxa :( hahah!
    Beijãoooo!

    www.voarsemasas.com ♥

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Layout: Bia Rodrigues | Alterações: Franciele Honorata | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©