16 setembro 2013

Conto: Efeitos do Destino- Parte 8

VEJA AS OUTRAS PARTES AQUI.

Ele estava bem vestido, até demais para aquela noite. Usava um suéter azul, uma camisa listrada com a gola aparecendo e uma calça clara. Seu cabelo estava perfeitamente bagunçado e por um instante me vi em um daqueles filmes em que o destino junta duas pessoas em uma situação inusitada. Delirei até cair na real e lembrar que ele aguardava uma resposta:
- Eu sou a Lauren e essa é minha amiga Jennifer. – respondi secamente balançando a cabeça em direção a louca que estava passando mal do meu lado.
- Oi. Nossa, que lindo. Está pegando ele, hein?- a mesma nos interrompeu encostando-se ao muro para vê-lo melhor.
- Pegando? O quê? Eu mal o conheço, Jen. Desculpa, ok. Ela não está bem. – tornei a olhá-lo e ele estava com uma expressão animada. 
- Vocês estão sozinhas? Posso levá-las pra casa, está tarde.
- Obrigada, mas não precisa. Eu só vou dar um tempo pra Jennifer melhorar. – não podia aceitar carona de um estranho só porque ele era simpático e bonitinho. 
- Precisa sim, querido. Vamos... Só espera eu me levantar.
- Jen, por favor. – era uma pena que eu não pudesse dar um tapa na cara daquela abusada.
- Vocês que sabem. Bom, eu vou voltar para o outro lado da rua. – sorrindo ele era mais bonito ainda.
- Ok. Boa sorte com as latinhas.
- Latinhas? Ah sim, valeu. – enquanto o analisava se afastar, fiquei pensando se ele era novo na cidade, nunca o tinha visto.
- Lau, minha cabeça está girando.
- De novo não, Jennifer. Eu não sou sua mãe pra ficar cuidando de você e... Que saco. - ela passara mal novamente e eu me arrependi de tê-la convidado.
Uma semana depois ele entrou na HS e descobri que a família Russell havia se mudado de Londres para Oxford devido aos negócios do pai. Eles sempre foram daqui, o William cresceu na cidade e ao casar-se mudou e agora voltara a terra natal herdando a mansão e toda a herança do avô de Andrew. Encontramos-nos pelos corredores do colégio e ele até falou comigo um dia perguntando-me se lembrava do show, eu disse que mais ou menos, embora lembrasse direitinho do que acontecera naquela noite e tenha pensado nisso com mais frequência do que esperava. Foi no final de uma aula que tivemos uma conversa mais descente e depois disso saímos algumas vezes e após um tempão acabamos ficando juntos. Pois é, a vida é estranha. 
- Dormiu?- fui arrancada das minhas lembranças com a voz de Andrew.
- Oi. Não, estava só descansando. Está pronto?
- Aham. Vamos, quero sair com o Fed ainda.
- Sair pra onde?- perguntei séria.
- Por aí, faz tempo que não o vejo e se eu der mais atenção a você, ele fica chateado. 
- Comovente. Muito comovente. Vamos logo. – sorte que eu já estava acostumada com esse triângulo amoroso.
Descemos para o jardim e logo estávamos na estrada, ele ligou o rádio em uma estação de rock e eu adorava o fato de termos o mesmo gosto musical, assim não brigávamos por isso. Em poucos minutos chegamos a minha casa e eu peguei a bolsa no banco de trás para descer.
- Nos vemos a noite?
- Eu te ligo, ta?
- Tudo bem. – me inclinei e dei um beijo leve, mas ele quis mais e começamos a nos beijar cada vez mais depressa até ouvirmos uma batida na janela.
- Respeitem meu quintal. – era a minha mãe.
Fiz uma cara de deboche e abri a porta do carro.
- Oi mãe. Tchau And. – fechei a porta e tentei puxar minha mãe para dentro de casa.
- Ai And pra lá, And pra cá. Meu filho, como você a aguenta?
- Não sei, senhora. Me esforço muito, pode acreditar. – os dois riram.
- “Hahaha”. Mãe, chega. Vamos vamos, você já fez as malas?
- Já. Inclusive peguei dois sapatos do seu armário e uma camisa bege. Vamos subir que eu te explico e até lá eu invento uma desculpa para te convencer...
Virei para o carro e fiz sinal para que o And fosse embora, ele sorriu e jogou um beijo antes de sair.
- Dois sapatos, mãe? E o que eu uso no final de semana?
- Onde você vai no final de semana?
- No Old Fire, tem uma festa.
- Filha, não quero você bebendo e nem usando aquelas coisas que seus amigos usam. Acha que eu não sei?- se tem algo que minha mãe não sabe fazer, é conseguir ser como as outras mães que demonstram seriedade.
- Vai começar, é? Você sabe que não bebo e muito menos uso drogas. 
- Mas tudo pode acontecer nessas festinhas. Já passei por isso.
- Até hoje passa, acha que eu não sei?- quis fazer uma voz parecida com a dela e recebi um puxão de orelha.
- Engraçadinha.
Subimos até o quarto dela e conversamos por horas nos esquecendo da briga de manhã e acabamos entrando no motivo do término do seu namoro:
- Você acredita que ele me traiu? Isso mesmo. Com uma piranha que trabalha naquele pub perto do Tâmisa.
- E o que você fez?- queria rir, mas era sério pra ela e eu fingi que achava o mesmo.
- Terminei, oras. O problema é que eu gostava dele, era o amor da minha vida.
- Você disse isso dos três últimos caras. Mãe, você realmente chegou a gostar de algum deles?
- Do seu pai. – ela sorriu e demonstrou todos seus sentimentos naquele gesto. Sabia que o amor deles havia sido sincero, eles se conheceram quando eram crianças e minha mãe o amou até o último minuto naquela cama de hospital quando ele pediu para que ela cuidasse de mim. Se ele estivesse por aqui, saberia que ela cumpria sua função, apesar de passar muito tempo longe de casa e manter uma relação na base de telefonemas e e-mail comigo. Só que apesar de tudo, ela era uma mãe e tanto e quem me dera um dia ser como ela, forte como uma pedra. Admirei-a por um momento e me perguntei porque brigávamos tanto se horas mais tarde ou até minutos, estaríamos bem de novo. Mãe é mãe. 

Continua.

Comente com o Facebook:

8 comentários:

  1. Adorei <3 Comecei a te seguir linda, parabéns pelo blog *.*

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. "Delirei até cair na real e lembrar que ele aguardava uma resposta" kkk eu fazia muito isso , quando conheci meu namorado . Me lembrei daqueles amigos, que você diz que achou alguém bonito, e eles gritam, falando que você quer casar com a pessoa e ter um cachorro chamado Marley <3 kk
    Coitada :'( perdeu o marido, levou uns chifres, ai Fran para de mexer com os meus sentimentos desse jeito :( sou fraca nisso <//3
    Beijos e aguardando o próximo capitulo .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKKKKKKKKKKKKKKK já fizeram isso comigo :( queria sair dando uma voadora em todo mundo, mas me controlei e superei u_u kkk que bonitinha essa minha irmã, vem cá e me hug <3 kk

      Excluir
  4. "balançando a cabeça em direção a louca que estava passando mal do meu lado" kkkkkkk já fiz isso uma vez.
    coitada da mãe dela....o jeito que ela falou "do seu pai" fiquei imaginando o rosto dela, ai frannnnnnn :( :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ahuahuaha acontece nas melhores amizades, né. Também já passei por isso s2 kkk

      Excluir
  5. Olá,vim conhecer seu Blog,super amei e já estou curtindo a fanpage,parabéns por seu cantinho.
    Quero te convidar pra conhecer meu Blog e se gostar e puder curtir a fanpage também,será muito bem vinda.
    http://emcasademaria.blogspot.com

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Layout: Bia Rodrigues | Alterações: Franciele Honorata | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©