04 setembro 2013

Conto: Efeitos do Destino- Parte 5

VEJA AS OUTRAS PARTES AQUI.
OXFORD, POUCO ANTES DE TUDO ACONTECER 

- Lauren, eu já disse. Você vai para a escola e pronto. Que saco, menina. Você tem quantos anos? Dez? Não, não tem, mas ainda teima comigo como se tivesse. De baixo do meu teto você vai me obedecer, logo você será maior de idade e some daqui se quiser, faça o achar interessante. Mas hoje, hoje você vai estudar. Levanta dessa merda de cama.
Essa é a minha mãe. Dá pra perceber que ela não é um exemplo, né? Mas ela é legal e divertida quando não está mal humorada ou sofrendo um pós-término de namoro. - Já levantou? 
- Mãaaaaaae, me deixa. – Levantei cambaleando para os lados- Bom dia, segunda-feira. 
Segunda e acordar cedo, uma mistura de coisas ruins que não devia existir. Me arrumei e sai de casa antes que minha mãe implicasse de novo, essa mulher implica com tudo. No caminho da escola -escola está na minha lista negra também- passei na casa da Jennifer, uma americana recém-britânica que se mudara há quase 1 ano- Oxford atraía estudantes. Ela estudava na minha classe e eu só comecei a conversar com ela porque nos obrigaram a fazer um trabalho de campo juntas, agora não me via sem sua companhia:
- Que cara é essa? O mundo não precisa saber que você não teve tempo de ficar decente. 
- Você e minha mãe combinaram esse complô? Me esquece, Jen.
- A Mirele está bem com o fora do... Como era o nome dele?
- Não faço ideia. Mas foi um record, eles ficaram um mês e três dias. – falei animada dando um pulinho e ela riu.
- Queria uma mãe como a sua.
- Queria nada, ela é louca.
- Mas é melhor que a minha, a certinha e sistemática. E melhor que meu pai também.
- Pelo menos você tem seu pai todos os dias. – a tristeza ficou explícita quando olhei para baixo. Meu pai falecera quando eu tinha nove anos em um acidente de carro. Desde então fui criada por minha mãe e meus avós, até a madame Mirele (nome de dançarina de boate) decidir brigar com seus pais e mudar para Oxford, sem me consultar, é claro. Faz quatro anos que moramos aqui e ela já teve diversos namorados. Vive saindo e viajando, ela trabalha com moda, só não me pergunte o que exatamente, nunca fiz questão de saber. De uma beleza invejável, nunca fora gorda ou descuidada e não era sua culpa se todos os caras a queriam, mas era culpada quando se atirava para eles. Odiava isso e as vizinhas também. Contudo eu não me importava, entramos em um acordo de que se eu tivesse a minha liberdade, ela teria a dela, mas eu precisava estudar e não usar drogas. Tive meus pensamentos interrompidos, nem me dei conta de que estávamos na esquina do colégio:
-... E o Matt, aquele babaca, me disse que eu estava diferente. Você acha isso?
- Se eu acho isso?- sobre o que ela estava falando? – Nãaao, não acho nada disso. - Esperava que fosse a resposta que Jen queria.
- Eu não consigo entender esses caras.
- Oi? Que caras?
- Terra chamando, alô alô alô.- ela deu um tapa no meu braço.- Tá em qual planeta, Lau?
- Ei, Cath.- era minha outra amiga chegando, nós éramos um clã- Pronta para uma aula de matemática?
Ela me olhou com cara de “tá brincando comigo, criatura?” e disse:
- Não vou nem responder. 
A High School era como qualquer outra construção da cidade, antiga e com cara de assombrada, jurava que alguém do passado vestido formalmente iria passar qualquer dia pelos corredores ou abrir a porta da sala que acabávamos de entrar. A professora olhou por cima dos seus óculos de John Lennon e nos repreendeu por 2 minutos de atraso. Claro, como se alguém fosse morrer por isso. Os minutos seguintes se arrastaram e eu senti minha cabeça pender para o lado de sono, mas se eu dormisse na aula da velha Beth estaria assinando minha sentença, então mantive meus olhos abertos e o pensamento longe. Pensava no fim do ano letivo e no adeus bem dado que eu daria para todas aquelas professoras e patricinhas do colégio. Finalmente eu me livraria de todos e logo conheceria gente decente na faculdade de Arquitetura, ou assim eram os planos. Logo tivemos uma pausa entre as aulas e eu nem vi o tempo passar. O segredo é ocupar a mente e eu ocupei, queria só ver se justificaria isso nos exames finais, mas quem liga? Tínhamos 30 minutos para descansar e segundo o diretor, conversar para que não haja ladainhas na sala de aula. Esse diretor é um caso sério, um homem calvo na casa dos 50 e poucos e de mal com a vida, aparenta ser gay- sem preconceitos- aconselharia ele a sair do armário logo se não desconfiasse que me odeia também e se não tivesse uma mulher, que de acordo com os boatos, era tão rígida que as vezes batia nele. Boatos são boatos e existem em todos os lugares, logo não dá pra levar todos a sério.
- E aí, Lau. Como está o And?- perguntou a Cath.
- Não sei. Ele disse que me ligaria assim que chegasse de Londres, mas até agora nada.
- E como está a situação entre vocês dois?- como era curiosa, meu Deus.
- Normal como sempre. Desgastada e crítica. Com os exames, as entrevistas em universidades e as viagens que faz sempre devido ao câncer do pai acabaram limitando nossos encontros a apenas fins de semana e vocês sabem, as brigas se multiplicaram, – mordisquei um pedaço de cookie- mas ah, por que tudo isso?- fiz uma cara de desconfiada.
- É que não temos assuntos interessantes- ela riu e a Jen acompanhou e disse:
- Mas tem algo tão interessante quanto a vida pessoal da Lauren?
- Tem sim. Como por exemplo, aquela piranha da Emily tentando dar o golpe do baú no nosso amigo Federico. 
- Meninas, se ele ceder a essa falcatrua, teremos que tomar medidas drásticas. – Cath apaixonada falando. Não me contive:
- Huuuuuuuuum, temos que tomar? Na verdade você precisa ir dizer logo a ele sobre seus lindos sentimentos. Já faz quatro anos. Você tem algum desvio mental?
- Engraçadinha- ela fez careta- Eu e o Federico já tivemos nossa chance.
- Ah é, uma chance com os dois bêbados saindo de um pub que acabou no estacionamento e você não ligou depois.
- Como assim eu não liguei? Sou o homem da relação agora?
- Que relação? Era só um dia e algum dos dois precisava ligar.- defendi o garoto, vivemos em um mundo moderno, oras.
- Conheço sua forma de pensar, mas sou tradicional.- rebateu presunçosa.
- Quanta tradição em dar para um cara no estacionamento.- ri e joguei suco nela.
- Cala a boca, sabe tudo.- ela jogou um pedaço de pão e eu me esquivei.
- Jen...
- Oi- olhou para nós surpresa.
- Sai dessa celular, por favor. 
- Por que? Algo incrível está acontecendo? 
- Fala para a Cath que naquele dia no estaci...
- E aí- Federico tinha se aproximado, só não tinha certeza em qual momento. Senti um beliscão disfarçado da Cath e quando a olhei já desviara o olhar arrumando o cabelo rapidamente.
- E aí. - falamos em coro.
-Tranquilo? Ei Lauren, só queria saber do Andrew, ele não me ligou. - Fed era melhor amigo do meu namorado e quase um amante, só o tratava bem porque nos conhecíamos desde a infância.
- Ah. Ele não me ligou também- fiz um bico forçado.
- Certo, - franzindo os lábios- vocês vão a festa sábado?
- Festa?- perguntei.
- Ihhh me esqueci de contar, - interrompeu- os meninos reservaram o Old Fire Station para uma festa só do HS. Inclusive estou mandando os convites por e-mail agora.
- A americana sabe mais do que a gente, Lau- disse a Cath com ironia e todos riram até o Federico interromper:
- Então vocês vão?
- Estaremos lá! – confirmei e ele lançou um olhar sério para a Cath e saiu. – Nossa. Por pouco ele não te matou com o olhar. Você viu os raios que saíram como se ele fosse o Ciclope? 
- Você não tem outro assunto, eu... 
O sinal tocou bem em cima de nossas cabeças, parecia o mesmo sinal de presídios e logo voltaríamos para as celas. 
- Vamos lá, né- levantei e as duas também, Jen com cara de desprezo guardando o celular e Cath pensativa, eu com o pensamento no Andrew. Enviei uma mensagem rápida: “Me dê notícias”. Eu deveria mandar algo mais meloso como namorados costumam fazer, mas tivemos uma briga antes de sua viagem e eu era orgulhosa demais para dar o braço a torcer. As aulas recomeçaram e o professor de História Geral entrou na sala:
- Bom dia. Tomara que para o bem de todos, tenham feito o trabalho que pedi semana passada.
O murmúrio foi enorme, pelo jeito ninguém havia feito e muito menos eu. Fingi que não era comigo e mais uma vez me concentrei em qualquer outro assunto. Depois de duas horas seguidas de aula sobre como o Castelo de Oxford era importante para a história, finalmente ouvi o aviso de saída. Suspirei de gratidão, peguei minha bolsa e sai. Estava um clima agradável, mas como sempre um vento frio que dava arrepios. Passei pelo enorme portão principal e já estava impaciente esperando a Jennifer conversar com todo mundo quando olhei adiante e reconheci o carro do Andrew. Tão metido em sua pose de “oi sociedade, tenho dinheiro e quero esfregar na sua cara”. Ri comigo mesma e calculei se daria tempo de sair de fininho, mas ele já me vira e estava vindo na minha direção.

Continua.

Comente com o Facebook:

6 comentários:

  1. Essa foto é do Filme Lola u.u (eu acho, pelo menos parece) kk OXFORD é um sonho, sim ou claro? u.u
    “oi sociedade, tenho dinheiro e quero esfregar na sua cara”. tão eu no futuro u.u kkkkk Muito bom, cada vez melhor XD ,gostei de saber sobre o passado da Lauren, kk Minha mãe é tipo assim, de manhã, só hoje que ela ñ pirou pq eu faltei na aula kkk Favor continuar, obrigada, de nada <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É KKKKKK amo esse filme :( ahahuaha Oxford é tão mágica, vamos pra lá? *o* Você achou que ficou legal essa "volta no tempo" pra contar sobre a vida dela? Seja sincera u_u

      Excluir
    2. Vamos *-* só se for pra ontem u.u kkkk sim pq ai eu descobrir mais sobre ela, apenas acho que poderia ter um capitulo, contando como se conheceram e tal <3 Beijos

      Excluir
    3. Muita calma nessa hora u_u ahauahuahua

      Excluir
  2. Awnn , cara vc devia procurar uma editora *-*
    Adoro ler, e quando a pessoa além de gostar de ler gosta de escrever como vc , deveria investir!
    To adorando seu blog!
    já estou supeer seguindo e curtindo sua fan page e te convido a seguir meu blog tb e a curtir minha fan page. Meu canal do Youtube: tainaheille
    nossoblogdemodaa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério? Ah, pare, fico muito emocionada assim AHAHUAHUAHUAHA obrigada pelos elogios e espero que continue gostando do conto e sempre dê sua opinião, é importante <3

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Layout: Bia Rodrigues | Alterações: Franciele Honorata | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©