26 setembro 2013

Conto: Efeitos do Destino- Parte 12

Cath chegou e nós três ficamos com a cara verde, segundo as ordens da Jennifer. Fiz alguns lanches enquanto as duas fofocavam, servi na mesa e entrei na conversa:
- Não sei o que vocês estão falando, mas sei o que é novidade. Cath, que história é essa de meio irmão?- fui direta ao ponto e não queria rodeios.
- Irmão? Você tem irmão? – Jennifer questionou procurando um esmalte na bolsa.
- Foi exatamente isso que eu pensei. Cath, você nunca disse nada pra gente.
- É isso. Ah, não tem muito que dizer. Ele mora em Nova Jersey, tem 20 anos e é filho só do meu pai. Vocês sabem que ele foi casado antes de conhecer minha mãe, não sabem?
Balançamos a cabeça e ela continuou:
- É basicamente isso. Ele apareceu agora porque antes odiava meu pai, quer dizer, nosso pai. Seu nome é Jared e pelo que conversamos hoje de manhã, ele parece ser simpático. Só o vi algumas vezes e não vi necessidade de contar á vocês porque ele não queria saber de nós. E é só isso, nada de outro mundo.
- Entendi. É que fiquei pensativa quando ele atendeu ao telefone, mas tudo bem. Você está feliz com isso? – disse sorrindo para que ela não ficasse mal.
- Acho que sim. É estranho, mas ganhar um irmão assim de repente é legal, ainda mais porque meus outros irmãos estão longe...
- Ele é bonito? Rico? – entusiasmou-se Jennifer.
- Ah, ele é bonito sim e se é rico eu não sei, não sei sobre a mãe dele e isso também não é coisa que se pergunte, não acha? – falou em tom crítico.
- E daí? De repente ele é minha alma gêmea. – ela se defendeu.
- Você é impossível. – Cath desarmou-se e riu- De qualquer forma ele veio até Oxford para tentar uma reconciliação com meu pai e aproximar-se da família. Convidei-o para a festa de hoje e ele disse que ia pensar, está se sentindo deslocado.
- Uma ótima chance de aproximação. Prevejo uma noite linda. – Jennifer era impossível mesmo.
- E o Matt? – interrompi com sarcasmo.
- Menina, você é uma estraga prazeres. Esquece ele, es-que-ce. – respondeu sinicamente.
Recebi uma sms do Andrew dizendo que ficou dormindo o dia todo. Me engana que eu gosto. Eu e as meninas conversamos até a máscara secar, depois continuamos com as maluquices da Jennifer e quando já era tarde, Cath foi para casa e combinamos de nos encontrar na frente da Old Fire. Nesse meio tempo eu e a Jen nos arrumamos e depois de eu trocar de roupa cinquenta vezes ouvindo-a dizer que estava pronta há horas por ser mais organizada do que eu, finalmente desenterrei um vestido de renda bege do armário e joguei uma jaqueta por cima para não passar frio e dar um charme. 
- E aí?- perguntei dando uma voltinha.
- E aquela roupa que você comprou?
- Não ficou muito boa, me diz o que achou dessa. Se estiver feio, eu desisto. – me queixei.
- Depois que você esquecer esse vestido de novo, pode mandar pra minha casa. Está linda e atrasada. Vamos. – levantou da cama balançando o cabelo ruivo. 
- Calma. Preciso me maquiar. 
- Amo maquiar, tem tudo aqui e vou te ajudar. Você quer algo tipo “cheguei” ou mais simples?
- Simples, você me conhece – e lá se foi mais meia hora. No fim olhei no espelho e antes que eu batesse na Jennifer pela maquiagem exagerada, ela me puxou para fora do quarto ameaçando me deixar em casa se eu tirasse o batom vermelho.
Pedimos um táxi e fomos encontrar a Cath. Vi a mesma parada na entrada do pub e chamei- a de longe, ela fez sinal para que fossemos até lá e ao me virar para o lado a Jennifer estava em uma rodinha de pessoas, me perguntei como ela sabia se teletransportar, não a vi saindo. Deixei-a ali mesmo e fui falar com a Cath:
- A Jen já se enturmou. Você chegou faz tempo? Como está meu rosto?
- É a cara dela mesmo. Não, agora pouco e seu rosto... Bom, mãos da Jen passaram por aí, mas está bom. Ei Lau, esse é o Jared, meu... Meu “meio irmão”- ela fez aspas no ar e o chamou.
Ele se aproximou e beijou meu rosto dizendo “oi”, o que me pegou de surpresa. O tal do Jared era bonitinho sim, um pouco moreno, um pouco claro e olhos castanhos escuros. Também era mais alto do que eu- novidade, novidade, que novidade. Tinha o cabelo ao estilo Andrew, bagunçado com gel. Acho que ele fazia musculação, dava pra ver os bíceps um tanto fortes através da camisa vermelha com o primeiro botão aberto. Percebi que estava olhando ele mais do que devia e disfarcei: 
- E aí, gostou da cidade? – perguntei sem assunto.
- Ah, mais ou menos. Tudo aqui é antigo. – respondeu sorrindo e seus dentes eram tão brancos que ele parecia ter saído de um comercial de pasta de dente. 
- É o que eu acho também, lugares históricos assim são deprimentes. 
- Exato, mas vamos ver o que dá essa festa. – falou animado- Minha irmã disse que é do colégio, espero que eu faça amizades.
- Vai sim, a galera é bem receptiva. E também...
- Amoooor!!! – olhei para trás e era o Andrew já bêbado tropeçando em seus próprios pés.
- Oi, oi amor. – ele ficou na minha frente, puxou meu braço e me beijou com força por um instante.
- Você veio com quem? – senti o cheio de uísque forte.
- Você está muito bêbado, ficou bebendo o dia todo pelo jeito- era tudo que eu temia para aquela noite.
- É uma festa, paixão. Relaxa e aproveita, entra na vibe. – me beijou novamente e eu interrompi o beijo.
- Depois conversamos. Cumprimente a Cath e esse é o irmão dela. Jared, esse é o Andrew...
- Namorado dela, cara. Tudo tranquilo?- disse And abraçando Jared e dando um tapinha nas suas costas. Ridículo. Jared o olhou amigável e disse:
- Tudo tranquilo sim. 
- Então beleza. Oi Cath. Vamos agora? – ele segurou minha mão com força e quase me arrastou pra dentro do pub. Só deu tempo de eu sorrir sem graça para o Jared e para a Cath que estavam na mesma que eu.
Entramos na Old Fire e logo de cara vi que a decoração era "à la Jen". Tudo branco e preto com balões gigantes pendurados no teto que me lembravam decoração japonesa, do outro lado luzinhas pendurados em forma de cascata e luzes coloridas vindo do palco onde estava o DJ, e nos dois bares mais cores enquanto os dois barman  faziam malabarismos e acendiam chamas dentro dos copos. O cheiro de cigarro misturado com droga recendia o lugar, este que enchia aos poucos. Andrew segurava forte minha mão, tanto que já estava me machucando.
- Ok, já dá pra soltar minha mão.
- Quero você do meu lado. – disse puxando-me para mais perto.
Sai de seu abraço e disse entre o som alto que eu não iria fugir. Acho que ele não gostou e tentou disfarçar com um sorriso dizendo “ta”, só consegui fazer uma leitura labial. Olhei para todos os lados procurando a Jennifer ou a Cath, ou alguém que pudesse conversar comigo e me acalmar para que eu não brigasse com o Andrew. Odiava vê-lo bêbado, ele virava outra pessoa. Mas não vi ninguém conhecido e repeti a mim mesma que precisava aprender a dizer "não" quando não quisesse ir a algum lugar. Na verdade eu precisava aprender muitas coisas se quisesse sobreviver.

Continua.

Comente com o Facebook:

6 comentários:

  1. Ótimo texto, escreveu muito bem
    Seguindo aqui o seu cantinho, Beijos
    http://segredosdacahlima.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada linda, espero que continue acompanhado <3 rs

      Excluir
  2. PERFEITO!! *-*
    sou viciada em seus contos rs

    beijos :*
    jessicaestilosinha.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. O que importa é ser rico u.u kkkk
    Achei que esse seria o capitulo que acontecia o acidente que deixou a Lau gravida kkk
    Irmão gato, legal isso u.u prevejo treta no proximo capitulo kkk
    Beijos mana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkk cadê o amor, carinho, respeito, lealdade? Dinheiro não leva a nada u_u ata, KKKKKKKKKKKKK em breve, mocinha u_u

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Layout: Bia Rodrigues | Alterações: Franciele Honorata | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©